sábado, 14 de dezembro de 2013

Por que sabotamos a nossa felicidade?

É impressionante como o fim de uma parte da nossa vida pode ser o começo do tudo....e mesmo assim chegando a essa conclusão a pergunta que não quer calar é "porque será que o tememos tanto"?

Por que sofremos com o ponto final se sabemos que a vírgula pode ser o símbolo de tristes interrupções e que os travessões só emendam o passado com o futuro não acrescentando nada de novo?

Será que é uma forma de sabotar a tal felicidade que tanto ansiamos?

Na busca de respostas, encantada 
contemplo a arte do mosaico. A partir de cacos edifica-se uma linda obra de arte, renovando no alegre entrelaçamento-se as várias formas, das várias cores. E o lindo é que sabemos que tanta beleza nasceu do estilhaçamento do vidro por um instrumento próprio que provoca essa beleza toda nascida a partir da dor, do fim de uma outra peça com o consequente encerramento da função desta.

Assim também vejo o nosso coração que a partir de pequenos cacos também pode construir novas trajetórias colando-os com a cola da fé e da esperança em dias melhores que produzirão uma nova história abrindo nossos olhos para o temor do sofrimento que tanto nos cega a ponto de não percebermos que já estamos sofrendo há muito tempo.

O medo do tão temido fim nos entontece e nos imobiliza turvando a possibilidade do novo e o compromisso com o fim de um amor puramente romântico que nos impede de partirmos na busca do amor que produz, que transforma, que cria e que a partir disso tudo não suporta mais ficar sozinho.

É esse amor que queremos, é desse amor que precisamos.

Simples assim!