quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

O coração e a razão.

O coração destoa da razão e tropeça na indecisão.
E sofre.
E bate.
E apanha.
E chora.
E lamenta, e assim frágil cede dando o pódio para aquela que o impede, surpreendido e abalado por essa novidade chamada covardia.

Simples assim.