terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Amor gratuito e não valorizado.

A dor ocupa o lugar do amor que a gerou e se instalou "feito um posseiro" no seu lugar.  Não tem como entender...É só um desejo alucinante de que o tempo rodopiando,  rodopiando,  rodopiando ofereça o lenitivo do esquecimento...ai que cansaço! que cansaço sacramentado no amor intenso durante todo o tempo despejado e por ser gratuito não foi valorizado.
Há uma ânsia,  uma expectativa de que bem daqui a pouco essa angústia termine quando na busca pelo seu objeto não mais encontrá-lo.

Simples assim.