quinta-feira, 7 de agosto de 2014

A menina sonhando com a saia preta da mãe.

Tem coisa mais gostosa do que abrir o guarda-roupa da mãe da gente e ficar provando as roupas dela?
Ai que delícia, fiz isso hoje, até "umas zoras", kkkkkkk
Fui visitar meus pais essa tarde e minha mãe precisou sair. 
Tinha um compromisso já agendado. Daí, né, fiquei sozinha diante do guarda-roupa dela. Na verdade, eu só queria mesmo era trocar a minha blusa que era muito quente e acabei me divertindo muito e quando dei por mim percebi que tinha mais do que uma mulher ali e pude experimentar a sapequice da menina que por muitas vezes deve ter feito isso.
Toda menina adoooora vestir as roupas da mãe. 
Não é verdade? 
Parece que assim a gente cresce mais rápido e depois, quando, não é mais conveniente, desveste a roupa e a infância fica, assim, preservada.
Lembro-me que a minha mãe tinha uma saia de casimira preta que me fascinava. Era linda, justa feito essas usadas nos filmes da década de 50 e 60, sabe? O comprimento cobria os joelhos e descia afunilando afunilando, com uma pequena abertura, marcando suavemente o corpo....linda de viver.
Cresci com essa referência e com essa lembrança, muito marcante. 
Anos mais tarde, já adulta, comprei uma de nobuk, preta, afunilada, com o comprimento logo abaixo do joelho e uma abertura atrás, tenho até hoje e "qualquer mera semelhança é a mais pura coincidência".
Coisas de menina que quer ser mulher no tempo de ser menina. 
Coisas de mulher que sabe ser menina em qualquer tempo dessa vida.

Simples assim.

imagem da internet