quinta-feira, 14 de agosto de 2014

É preciso dizer mais olá e menos adeus!

"Ao nos confrontarmos com a morte de uma pessoa pública parece que descobrimos o determinismo da morte, a fatalidade do 'nunca mais' é como se ela só existisse quando nos deparamos 'face a face' com ela.
Eu acredito na consternação geral que se abateu sobre o Brasil com a morte do senador Eduardo Campos, um homem jovem, bonito, feliz, rico e em plena realização pessoal, cheio de planos e cheio dos 'até breves, até logo', como todos nós vivemos, certos de que tudo gerenciamos e coordenamos e ai vem a vida e muda todos os planos. Diante disso precisamos refletir sobre como vivemos, como agimos, como amamos e, principalmente, o que adiamos....sendo assim acho que precisamos;
dizer mais olás, menos adeus;
perdoar mais, criticar menos;
amar mais e adiar menos, deixar de ter razão, sorrir mais, orar mais, cuidar mais, sair de si, ir ao encontro de.....sendo assim eu digo, eu amo e não quero mais adiar a vida quero viver intensamente a rotina dos meus dias ao seu lado com todas as irregularidades que a nossa humanidade nos impõe, nos permite.
Simples assim."