sábado, 27 de fevereiro de 2016

Amizade e talentos.

No último dia 21 de fevereiro tive a graça e a honra de participar do casamento do filho da minha grande amiga Sandra.  Montei um "look" que achei muito apropriado e confortável. O clima estava delicioso e no ambiente reinava a paz, a alegria e o amor. Foi lindo e emocionante demais! Ver o Rick se casando foi gratificante, pois acompanhei todo o crescimento dele, suas vitórias e suas lutas e desejo com todo meu coração que o adotou como sobrinho que ele e a sua esposa Ana Paula sejam eternamente felizes.
Quando estava a caminho da cerimônia observei que a minha bolsa, que ficara tão bem guardadinha estava, simplesmente se desmanchando, tanto que o seu triste destino no dia seguinte foi o lixo. Após o espanto de tal visão "quedei-me" a pensar que minha intenção ao guardá-la foi a de preservar para usá-la em todas as ocasiões que me imaginei participando e que se fez finito naquele momento. Imediatamente veio-me na lembrança a Parábola dos Talentos (MT 25;14-30 e Lc 19;12-27), um exame de consciência foi "startado" e constatei: - "é isso o que fazemos, guardamos nossos talentos à espera do momento certo para usá-los e não percebemos que eles também se deterioram".
Que o Senhor Pai das Misericórdias, que por pura bondade nos capacita com tantos talentos nos conceda a graça de um "time" sintonizado com as incoerências da vida para que, atentos e zelosos possamos disponibilizar nossos dons em prol de Sua santa Obra. Caso contrário eles nos serão inúteis e embora brilhem feito ouro e prata se desfaçam ao primeiro toque.
Dai-nos Senhor um coração disponível e puro  para o seu serviço, para que o lixo não seja o seu destino.
Simples assim!